O que fazer (e o que não fazer) quando sua filha começa a menstruar

Existem alguns eventos de mudança de vida que acontecem na vida de uma menina, iniciar sua menstruação é um deles.



Pode ser uma sensação de felicidade, estranha, confusa ou assustadora quando a menina começa a menstruar. Seja qual for a reação, a melhor coisa que você pode fazer é ser uma presença positiva e bem-informada na vida de sua filha.

Conversar sobre isso:

A maioria das meninas começa a menstruar por volta dos 12-13 anos. Algumas começam mais tarde na adolescência e outras já aos 9 anos. (Se sua filha menstrua antes dos 9 anos ou não menstruou aos 16, converse com sua médica para ver se há condições de saúde que você deva estar ciente).


Idealmente, você deveria falar sobre como seus corpos funcionam muito antes de a menstruação se tornar um problema. Quanto mais aberta e honesta você for, maior será a probabilidade de sua filha se sentir confiante na mudança de seu corpo.


Se você não encontrou tempo para conversar antes de sua filha começar a menstruar, tudo bem! Para alguns, não é um assunto fácil de abordar naturalmente. Felizmente, existem muitos recursos online que podem ajudá-la a ter uma conversa completa e significativa com sua filha.


Esta é uma fase delicada em que a menina começa a ter ciclos ovulatórios e tem a possibilidade de engravidar caso tenha relação sexual. Então, você deve estar atenta ao comportamento de sua filha daqui para frente, amizades e relações interpessoais. Deve estar pronta para conversar sobre sexualidade, carinho, romances e, não mais importantes, desejos e permissões de contato a terceiros – conversar sobre abuso, sobre carícias, sobre masturbação, se o momento se fizer oportuno e você notar que sua filha já precisa dessas informações.


O que dizer (e fazer):

Fale sobre como a menstruação é uma coisa natural e normal pela qual as mulheres passam. Fale sobre como é uma cólica normal e como seus hormônios podem afetar a maneira como ela se sente e pensa durante o período pré-menstrual e menstrual. Responda a quaisquer perguntas que ela possa ter com honestidade e positividade e, em troca, pergunte se ela entendeu ou precisa de mais esclarecimentos. Ofereça a ela uma conversa com a sua ginecologista, com ou sem a sua presença para esclarecer dúvidas que possivelmente você não saiba suprir.


Saiba que cada mulher tem um padrão menstrual, cada mulher sente a menstruação de um jeito diferente, que pode haver cólica, fluxo intenso, e você pode ajudar a sua filha a manejar isso da melhor forma possível.


Importante saber também que o padrão regular da menstruação não se define logo que ela inicia e, é comum, no início do processo ela menstruar duas vezes no mesmo mês ou ficar algum mês sem menstruar. Você pode ajudar ela criando um calendário menstrual ou ajudando a colocar os dados em um aplicativo de controle de ciclo para que ela entenda melhor sobre essa nova fase da vida.


O que NÃO dizer (e fazer):

Não ignore quaisquer perguntas que ela possa ter sobre seu corpo. Se vale a pena para ela perguntar, vale a pena você responder, por mais embaraçoso que seja para você.


Não há problema em falar sobre as desvantagens de ficar menstruada (porque sabemos que há muitas), mas também discutir as maneiras pelas quais você pode minimizá-las. E faça o que fizer, não ria nem tenha uma atitude condescendente quando ela vier até você para ser consolada.


Cada mulher é diferente, mesmo que você conheça essa pequena mulher a vida toda.

Prepare-a para o sucesso

A primeira menstruação pode ser um momento assustador e confuso para uma menina. Mas, se ela estiver armada com as informações e suprimentos de que precisa, é menos provável que ela se sinta constrangida ou envergonhada de sua menstruação.


O que fazer:

Explique o que é um absorvente e como usá-lo. Fale sobre fluxos, por quanto tempo você deve usar um absorvente antes de trocá-lo e como descartar um absorvente de maneira adequada. Coloque uma bolsa bonitinha na sua mochila com alguns absorventes, um par extra de calcinhas e um pacote de lencinhos umedecidos para o caso de algum acidente de escape.


O que NÃO fazer:

Nunca deixe que sua filha precise tirar dúvidas com colegas, amigas ou na internet. Muitas meninas acham muito constrangedor falar sobre isso e não se cuidam por falta de informação. Seja você a fonte principal de informação para sua filha e, sempre que possível, leve ela para uma conversa franca com uma ginecologista de confiança.

Discuta a higiene adequada

Agora é o momento perfeito para discutir como manter a higiene adequada não apenas durante a menstruação, mas como cuidar de seu corpo em mudança. Lembre-se de que passar pela puberdade não significa apenas iniciar o período menstrual. Este também é o momento em que o odor corporal muda, acne ou outras doenças de pele podem surgir e o couro cabeludo e o cabelo podem começar a ter excesso de oleosidade. Ensinar-lhe a maneira correta de cuidar de si mesma lhe dará mais confiança em sua aparência e saúde em geral.


O que fazer:

Comece dando a ela um pequeno pacote de produtos de higiene para adolescentes, incluindo lenços umedecidos, desodorante, um bom sabonete líquido para o rosto e protetor solar, xampu e condicionador, um bom sabonete neutro para higiene íntima e um hidratante corporal. Mostre a ela como lavar corretamente o cabelo e o rosto. Talvez até leve-a para um dia de spa, com um tratamento facial apropriado para a idade! Incentive o autocuidado. Aproveite para falar sobre a hora do xixi, sobre a higiene após a micção e sobre a necessidade deste momento ser calmo e tranquilo. Adolescentes adoram fazer xixi e sair correndo, sem esvaziar a bexiga por completo e sem fazer uma higiene adequada, e isso propicia infecções.


O que não fazer:

Não presuma que ela saiba os usos adequados para todos os diferentes itens de higiene. Dedicar algum tempo para mostrar a ela como cuidar adequadamente da pele e do corpo evitará o desperdício de produtos e facilitará o uso correto.

Depois de uma boa conversa franca com a sua pequena grande mulher, ofereça a ela uma conversa com uma ginecologista de confiança e oriente que ela faça uma listinha de perguntas para levar na consulta.


Agora vocês fazem parte da mesma fase de vida – a vida reprodutiva - e isso requer muita responsabilidade de ambas as partes.

24 visualizações